THE LAST SHIP - Fim da terceira temporada confirma sucesso de Michael Bay

Michael Bay é um daqueles diretores que dividem as opiniões. Alguns gostam de sua pirotecnia: explosões e slow-motions; outros já acham que tudo isto é para tirar a atenção de seus roteiros “frágeis”.

Por isto, quando foi anunciado que ele teria parte em uma série para a TV, muitos (incluindo eu mesmo) acharam que não poderia sair algo de bom. E principalmente quando foi divulgada a trama central da série: um vírus causa a devastação de 80% da população mundial. Um navio de guerra americano, o "Natan James", que ficou fora da zona de contágio por estar em manobras e incomunicável no Ártico, tem agora a missão de encontrar a cura e salvar a humanidade, daí o nome da série ser “The Last Ship”. 

Mesmo depois de assistir ao episódio piloto, ainda tinha dúvidas sobre a longevidade da série, já que seu fio condutor meio que limitava seu desenvolvimento. Mas, os roteiristas para minha surpresa, conseguiram armar subtramas que não só prendiam a atenção do espectador, como também fazia com que visualizássemos todo o potencial que a história possibilitava.

ATENÇÃO:  a partir deste ponto podem haver Spoillers

Assim na PRIMEIRA TEMPORADA, acompanhamos o Capitão Tom Chandler (o ator Eric Dane, de Greys Anathomy) e sua tripulação em busca da cura para a praga mundial. Para isto eles têm de resgatar a Doutora Rachel Scott (Rhona Mitra), acontece que outras nações (pelo menos o que sobrou), também ficam sabendo e uma batalha se desenrola no mar. 


Afinal, quem tivesse a cura, teria também poder (ainda bem que os americanos eram puros de coração, e só queriam ajudar as pessoas, independente de sua nacionalidade). Como se não bastasse também aparece um grupo de pessoas imunes à doença que tem seus próprios planos de domínio. 

Já na SEGUNDA TEMPORADA, o grupo volta para casa, apenas para descobrir que as coisas estão um pouco diferentes por lá, com a ameaça dos Imunes e as mentiras que espalharam voltando a população sobrevivente contra os salvadores (com uma saída interessante para se espalhar a cura). 

O final da temporada é explosivo, e causou discussões entre os fãs, alem de ter aquele “gostinho” de fim de festa ou de série. 

A TERCEIRA TEMPORADA, que me despertou a curiosidade do que seria tratado, tendo em vista o fim da anterior, mostra a situação algum tempo depois, em casa e no resto do mundo. E para variar a China volta a dar problemas, aparentemente a cura não funciona na Ásia. Ou existe uma nova variação da doença, ou a China está causando o problema. 

Como se vê no pequeno resumo das temporadas, a série vem crescendo e as situações apresentadas são bastante verossímeis. Como a terceira temporada terminou esta semana, e resolvendo os problemas do inicio, mas com consequências impensáveis, resta-nos aguardar a quarta temporada, pois não fui o único a gostar da série. Prova disto é que ela foi renovada para a quarta.......e também para a quinta temporada. Sim, ainda temos muita história ai pela frente.....

Para terminar, gostaria de apontar um dos maiores acertos da serie que foi escolher o ator ERIC DANE, para interpretar o agora secretário de segurança Tom Chandler, o ator consegue emprestar ao personagem uma enorme integridade, honestidade e hombridade. Parabéns, pela escolha! E bom trabalho Eric!